Hidromel

Introdução ao universo do hidromel

Olá pessoal, tudo bem?

Muito gente me aborda com perguntas de quem está tendo o primeiro contato com o hidromel. Nem sempre quem é produtor caseiro ou quer produzir, mas quer apenas conhecer mais a bebida. Então aqui está o que considero ser uma série de informações importantes para quem quer conhecer melhor o que o universo do hidromel. Bom proveito a todos!

Introdução ao universo do hidromel

De onde vem o hidromel?

Primeiro de tudo, saiba que estamos falando de uma bebida que tem, pelo menos, uns 10 mil anos de história – arqueologicamente comprovado – tendo a possibilidade de ser a bebida mais antiga do mundo, com sua origem chegando a China antiga. Ora, o mel – a nossa nobre matéria prima – é usado pelo homem desde o tempo em que ainda éramos caçadores-coletores, afinal é uma fonte fácil de açúcar e muita energia. Então, saiba que esta é uma bebida que beira a origem do consumo de álcool pela humanidade. Foi consumida por todas as antigas grandes civilizações, ex.: Romanos, Gregos, Egípcios e etc.

Apesar desse passado imenso, existe muita ligação dessa ancestral bebida com o povo Viking, com quem essa bebida é muito associada, inclusive muita gente acredita que ela é de origem Viking. Os Vikings eram produtores e consumidores do hidromel, mas milênios depois do surgimento do nosso néctar. Talvez ficaram famosos por serem vorazes consumidores da nossa nobre bebida? É possível, mas isso é outro papo.

Como é produzido?

O hidromel é uma bebida fermentada, feita através do mel diluído em água. A fermentação é um processo onde uma micro-organismo – normalmente a levedura – consome os açúcares e os transforma em álcool. A cerveja e o vinho também são bebidas fermentadas. Os destilados têm um processo a mais – a destilação em si, onde se separa o álcool do restante do líquido. Logo, como as leveduras consomem os açúcares da bebida chegamos a conclusão que não é porque é feito de mel que nossa bebida precisa ser adocicada. Pode ser seca, como qualquer vinho seco, ou suave, ou demi-sec. O produtor é quem vai decidir quanto dos açúcares presentes na bebida ele vai deixar ser transformado em álcool. Então tem hidromel para todo gosto.

Para ilustrar ainda mais a versatilidade da bebida em termos de características de produção podemos dizer que o hidromel pode ser classificado em relação a:

  • Dulçor: Seco, demi-sec, suave (porém por questão de legislação nacional isso nem sempre vem claramente no rótulo, uma vez que o MAPA permite apenas as classificações SECO e SUAVE).
  • Gaseificação: Tranquilo (sem gás), frizante (pouco carbonatado), espumante. O espumante pode ser elaborado, inclusive, usando-se o método Champenoise que é muito tradicional no mundo dos vinhos finos.
  • Teor Alcoólico: Short/leve (até 8% abv), tradicional/hydromel (acima de 8 e até 14% abv) e Great Mead (acima de 14% abv).

Versatilidade em relação a ingredientes

O hidromel pode ser elaborado com uma infinidade de ingredientes além de mel e água. Ganha inclusive outros nomes a depender dos ingredientes que leva.

  • Pode levar frutas, chamando-se assim Melomel, frutas emprestam cor, aroma e sabor para a bebida e é uma das categorias mais versáteis. Geralmente frutas emprestam uma acidez mais refrescante ao hidromel;
  • Pode levar especiarias, chamando-se assim Metheglyn. Especiarias emprestam principalmente aroma e sabor, todavia algumas podem emprestar também cor. Aqui podemos ter hidroméis dos mais delicados aos mais intensos;
  • Pode ter parte ou todo o mel caramelizado, chamando-se assim Bouchet. É um estilo em que a bebida pode ganhar notas de caramelo, toffee, café, chocolate, coco entre outros do estilo. Além de, em geral, serem mais macios e volumosos no paladar.
  • Pode ser maturado com madeira – ficando em barris ou adicionando-se chips no tanque de produção. Madeiras emprestam cor, aroma, sabor e estrutura para a bebida, deixando-as muito mais complexas.

E estes acima são apenas os mais comuns, existem dezenas de nomes dados aos hidroméis devido a sua região de origem e ingredientes usados. Mas esses já te ajudam muito. E nada impede de misturarem-se os ingredientes citados acima, criando bebidas cada vez mais complexas.).

Segue uma lista com alguns nomes de estilos de hidromel de acordo com seus ingredientes:

  • Tradicional: Hidromel feito com apenas água, mel e fermento;
  • Cyser: Hidromel feito com maçãs ou seu suco;
  • Pyment: Hidromel feito com uvas ou seu suco;
  • Melomel: Hidromel feito com quaisquer outras frutas ou sucos;
  • Metheglin: Hidromel feito com quaisquer temperos ou ervas;
  • Braggot: Hidromel feito com cereais maltados;
  • Capsicumel: Hidromel feito com pimentas;
  • Hippocras: Hidromel feito com mel, uvas e temperos;
  • Morat: Hidromel feito com amoras;
  • Rhodomel: Hidromel feito com pétalas de rosas, muito apreciado no periodo Romano.

Sobre o mercado atual de hidromel no Brasil

Vindo no rastro da explosão da cerveja artesanal, o hidromel vem ganhando seu espaço. Hoje temos diversas fábricas no país que são especializadas em sua produção e temos também muitas cervejarias e vinícolas que produzem para terceiros usando sua estrutura.

Artesanalmente o hidromel começa a ganhar força no início da década passada e hoje conta com uma enorme comunidade de produtores hobbistas. Muitos desses ao longo do tempo acabaram se aventurando no mercado profissional e hoje são nomes importantes no mercado Brasileiro.

No Brasil hoje temos quase 1 centena de rótulos comerciais e uma comunidade que não para de crescer.

Dúvidas comuns sobre hidromel:

  1. É parecido com o que? R: Hidromel é uma bebida única e é difícil relacionar ele com alguma bebida conhecida. Podemos dizer que tem uma “sensação” e textura de vinho no paladar, mas como a matéria-prima é outra não é vinho. Pode ser muito macio, sedoso, ou até mesmo ter uma acidez afiada dependendo da receita. Se leva frutas ou especiarias ou outros ingredientes e misturas esses outros ingredientes podem ser bem relevantes na característica do produto.
  2. É sempre doce? Tem seco? R: Não é por que é feito de mel que é sempre doce não. Os açúcares presentes no mel podem ser completamente fermentador durante a produção tendo uma bebida sequinha como a vinho mais seco que você já tomou. Ou pode ser bem doce – em alguns caros realmente licorosos, densos. Tudo vai da intenção do produtor ao elaborar a receita.
  3. Posso tomar gelado? Qual a melhor temperatura? R: Como todas as bebidas cada hidromel tem a sua temperatura ideal de consumo para que possamos aproveitar melhor as suas características. Porém, o mais importante sempre é você ter satisfação com aquilo que está consumindo. Logo, se para você ela é melhor gelada então consuma assim! Como regra de ouro podemos seguir o seguinte: Quanto mais leve o hidromel mais baixa a temperatura, quando mais encorpado e alcoólico mais alta a temperatura de consumo. Considere as temperaturas: baixa 4ºC e alta 22ºC.
  4. Qual a validade do hidromel? R: Assim como o vinho o hidromel tem validade indeterminada, pois pode ter uma vida muito longa se bem armazenado, hidroméis mais alcoólicos e encorpados, com maturação em madeira, tem vida mais longa que hidroméis mais leves. Pode durar até décadas. OBS.: hidroméis em lata, precisam, por lei, apresentar uma data de validade na embalagem.
  5. Como armazenar o hidromel corretamente? R: Em um local escuro, temperatura fresca e estável, longe de odores fortes e vibrações. Se a garrafa é fechada com rolha, manter na horizontal. As mesmas regras de armazenamento do mundo dos vinhos se aplicam ao hidromel
  6. Depois de aberto, consumir em quanto tempo? Posso guardar? R: Como toda bebida fermentada o hidromel estará sujeito ao processo de oxidação após aberta a embalagem. Porém, nosso néctar é bem resistente a esse processo e depois de aberto, se mantido fechado na garrafa, na geladeira pode ser consumido em cerca de 15-20 dias sem prejuízos. Logo posso usá-lo para servir, consumir em taça sem problemas.
  7. Alguns produtores descrevem a variedade de mel usada para produzir, faz diferença? R: Sim, faz! O mel, como a uva no caso do vinho, define as características principais do hidromel, sua cor, aromas e sabores principais. Então um mel de laranjeira, tende a ser delicado, sutil, floral, clarinho e isso reflete no hidromel. Um mel de bracatinga é escuro, mineral, intenso de sabores e isso também passa para o hidromel. O mel é o varietal do hidromel e o Brasil é um país com uma fauna e flora únicas no mundo e isso nos dá muitas possibilidades no universo dos hidroméis.
  8. Posso fazer drinks com hidromel? R: Com certeza! Com tantos aromas e sabores presentes na bebida ela é uma grande fonte de criatividade para compor drinks. Existe até pequenos livros específicos sobre isso no país.

Um abraço e boas fermentações a todos!

Luis Felipe de Moraes – Pompeia Hidroméis

Deixe uma resposta