Como fazer vinagre de hidromel

Um produto que pouco prestamos atenção – até pela pequena variedade existente – é o vinagre. Temos os tradicionais vinagre de vinho e maçã e o clássico o imponente vinagre balsâmico (o de Modena é o verdadeiro), mas muito ingredientes podem dar origem a um interessante vinagre que pode se tornar algo à parte no mercado e se tornar mais um diferencial de sua produção.

Fazer vinagre não é algo difícil. Tanto que estamos acostumados a associar o vinagre ao ciclo final de vários produtos alimentares, veja que sempre dizemos que algo que não deu certo “avinagrou”. Mas, realmente não tem nenhuma complicação em produzir o vinagre, que é a transformação do álcool em ácido acético. Sabendo isso podemos ter em mente que tudo que passa por uma fermentação alcoólica tem potencial para se tornar um vinagre.

A muito tempo atrás Lavoisier (1743-1794) escreveu que o vinagre era o vinho que passava por uma reação química induzida pelo oxigênio e que a camada gelatinosa que via na superfície do líquido era apenas um efeito de tal transformação e não sua causadora. Hoje sabe-se que essa camada gelatinosa é a chamada “mãe do vinagre” e é a bactéria responsável para transformação do álcool, usando oxigênio, em ácido acético. Pela classificação atual, as bactérias acéticas pertencem à família Pseudomonodaceae; aos gêneros Acetobacter e Gluconobacter. As principais espécies de bactérias acéticas são: Acetobacter aceti, Acetobacter pasteurianus, Acetobacter xylinum, Acetobacter schützenbachii e Gluconobacter oxydans. Como elas precisam do oxigênio para causar a acetificação elas se concentram e multiplicam mais na camada superior do líquido – a que está em contato com o oxigênio do ar – e formam uma camada gelatinosa que é a colônia da bactéria em si. As bactérias transformarão cada 1% de álcool do fermentado em aproximadamente 1,3% de ácido acético e isso pode ser usado – junto com a experiência – em uma ferramenta de uso para a criação de receitas de vinagres.

Mas, como fazer vinagre em casa?

No nosso caso usarei o exemplo, claro, do vinagre de hidromel. E estou escrevendo este artigo exatamente porque terminei de engarrafar hoje o segundo lote de vinagre que produzo. Com 18 meses de envelhecimento.

Você vai precisar de um balde, pote, ânfora ou qualquer coisa do gênero e aqui ao contrário do hidromel, nós queremos que o líquido fique em contato com o ar, pois o oxigênio é muito importante na produção do vinagre. Agora, queremos contato com o ar e não com moscas e outros seres voadores e/ou rastejantes. Então temos que colocar uma proteção para evitar que isso aconteça, isso pode ser um pano Voil ou qualquer outra coisa do tipo.

Você precisa colocar nesse recipiente a sua bebida fermentada, no nosso caso o hidromel. E aqui cabe dizer que não é porque vai ser para vinagre que você vai fazer um hidromel de qualquer maneira, fermentado porcamente e sem os devidos cuidados. Quanto melhor a matéria prima, maior a chance de ter um melhor produto final. Então capricha no hidromel base. Outra ponto importante usar ingredientes aromáticos no hidromel – e principalmente um mel aromático – fará com que esses aromas passem para o vinagre finalizado, deixando o produto final muito mais rico e interessante, frutas vermelhas, especiarias, ervas… tudo isso pode contribuir com o seu vinagre único e especial.

Agora você vai inocular uma cultura própria para fermentar o álcool em ácido acético. Note que nem disse a mãe do vinagre propriamente dita. Se você tiver de quem pegar uma amostra da mãe do vinagre muito bom, é só pegar uma pequena quantidade (poucas colheres) e colocar no seu hidromel. Se não tiver, procure vinagre artesanal não filtrado em vendas ou quitandas de cidades do interior. Não importa nesse caso de que é feito este vinagre, o que importa é que haverá bactéria nesse cara e você ao colocar esse vinagre no seu hidromel inoculará uma cultura que fará o seu trabalho lindamente.

Coloque seu recipiente em um local escuro ou cubra/pinte o seu recipiente. Luz não é bom aqui. A temperatura ideal para produzir vinagre é de 25-30ºC e apesar de a temperatura errada não prejudicar a produção vai, com certeza, fazer com que demore muito mais tempo.

Prove seu vinagre regularmente, espera pacientemente os aromas e sabores mais intensos sumirem e quando o aroma estiver legal e o vinagre clarificado, você pode envasar para consumo. O vinagre amacia com o passar do tempo, ficando mais elegante. Se ficou forte demais você pode diluir o vinagre em água até o ponto desejado. Lembre-se que um hidromel com aproximadamente 10% vai render um vinagre com mais de 10% de acidez que quando comparado com um vinagre comercial de 4,3% é bem mais forte. Envase, preferencialmente, em garrafas pequenas.

Cuidado com o local de produção do seu vinagre se você produz outras bebidas fermentadas. A bactéria acética pode contaminar toda a sua produção e equipamento e você terá um enorme trabalho para se ver livre dela. Faça seu hidromel em um canto da casa e o vinagre no outro. Tenha até mesmo equipamento de envase e trasfegas próprio para o vinagre.

Divirta-se produzindo seus próprios vinagres.

Luis Felipe de Moraes – Pompeia Hidromeis.



Categorias:Vinagre

Tags:, , , , , , , , , ,

Deixe um comentário!!!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: