Os Grandes Hidromeis da Humanidade

The Heart of Darkness

Você, caro leitor, já parou para imaginar que existe todo um mundo se agigantando quando falamos em hidromeis? E que neste mundo já existem algumas lendas? Hoje quero falar para vocês que uma joia rara que é produzida em quantidades mínimas e somente quando a natureza coopera ao máximo para que tudo ocorra maravilhosamente bem.

Mas antes de mais nada quero dizer que sou um grande fã dos hidromeis feitos em casa, artesanais, partilhados com os amigos, e que este caso é uma exceção, pois este blog pretende apoiar sempre as pessoas que produzem em casa! E também não gosto da ideia de segmentar o hidromel como hoje acontece com o vinho, que podem chegar a preços estratosféricos, pois isso iria contra a ideia da produção caseira.

Acredito que todos os que produzem hidromel em casa cedo ou tarde, falando inglês ou não, ouviram ou vão ouvir falar de Ken Schramm, autor do livro “The Compleat Meadmaker”. Esse livro é, ou deveria ser, oi livro de cabeceira de todo mundo que quer fazer hidromel em casa, pois ensina do básico à até algumas técnicas mais avançadas de produção.

Porém não é apenas de escrever livros que vive Ken Schramm. Ele, claro, produz hidromel e os produz a muito tempo e com qualidade que dizem ser invejável.

Uma grande empresa produtora de hidromeis nos EUA é a Bee Nektar. Localizada em Ferndale, Michigan, esta empresa abriu as portas em 2 de agosto de 2008. Os proprietários Brad e Kerri Dahlhofer, que já faziam suas produções desde 1998, contam com uma grande reputação e um bela lista de prêmios com seus hidromeis, inclusive tendo recebido algumas medalhas de ouro na Mazer Cup International que é a maior competição de hidromeis do mundo.

Mas o que esses dois caras tem em comum? Bem em 2009 para o bem da humanidade eles uniram forças e decidiram criar uma série especial de hidromel, elaborado, produzido e com frutas cultivadas pelo próprio Ken Schramm. Resultado disso foi o Melomel de Sobremesa Heart of Darkness. Elaborado com um blend de méis especiais, framboesas, groselha negra e uma rara variedade de cereja, todas cultivadas pelo próprio Ken Schramm. É um melomel de textura densa, uma grande explosão aromática e grande retro gosto. Perfeito equilíbrio e potência. Servido com queijos azuis (gorgonzola por exemplo) ou ainda com embutidos ou carne ao molho barbecue.

Este com certeza entrou para o rol dos Grandes Hidromeis da Humanidade

Luis Felipe de Moraes – Pompeia Hidromeis



Categorias:Hidromel

Tags:, , , ,

10 respostas

  1. Fiquei com vontade de experimentar este “Heart of Darknesss”… A coisa da densidade parece causar tentação ao paladar… Você já experimentou?
    Abraços!!!

    Curtir

  2. Olá Luiz, estou começando a pesquisar tudo que encontro sobre hidromel, adquiri alguns equipamentos básicos e pela ansiedade resolvi tentar a “sorte”. Fiz cinco litros do mosto e deixei dentro do mesmo galão da água utilizada, as dúvidas são: Deixei apenas uns quatro centímetros (quatro dedos) de espaço vazio neste galão, será que haverá falta de oxigênio (?) para a fermentação? Usei uma mangueira que sai deste garrafão para uma garrafa pet com água, ainda não comprei um balde com air lock.
    A outra dúvida é, fiz o mosto dia 30/08 em quantos dias posso começar a monitorar se está ou não havendo o processo de fermentação?
    Peço que pense em ministrar um curso e se caso o fizer avise, precisamos de algo teórico e prático.
    Abraços e agradeço suas excelentes informações.

    Curtir

    • Olá Ildo,

      A levedura não retira o oxigênio do ar, ele usa o que está dissolvido no mosto. Então o espaço deixado deve ser suficiente apenas para que a espuma gerada pela fermentação não tranque o airlock.

      Você vai começar a monitorar o término da fermentação primária quando as bolhas do airlock pararem. Lembre-se de que isso não é garantia de final de fermentação o ideal é após as bolhas pararem começar a medir a gravidade (densímetro) e quando estiver no mesmo valor por vários dias aí sim fazer as trasfegas.

      Sobre cursos estou pensando em algo e se tiver novidades posto no blog com certeza!

      Abraço!

      Curtir

  3. Sr. Luis fiz um hidromel esta fermtando a 15 dias com fermento d47 e com temperatura de 20 graus e ja esta com 9.7 de grau alcoolico qual o procedimento abaixar a temperatura ou interromper quando der 14 porcento .

    Curtir

  4. Ola Luis, é a primeira vez que estou fazendo hidromel e estou com uma duvida, eu preparei com fermento de pao no dia 12/03 e as bolhas no airlock foram diminuindo a ponto de parar hj. Isso é normal ou eu perdi meu hidromel? Desde já agradeço.

    Curtir

    • Olá Eduardo,

      Sem saber a receita exata é difícil de dizer. Mas é sim normal que depois de um tempo a fermentação começa a diminuir até parar, apesar de achar que no seu caso foi pouco tempo demais. Me passa mais detalhes da sua receita.

      Abraço!

      Curtir

Trackbacks

  1. Os Grandes Hidroméis da Humanidade II | Pompeia Hidroméis

Deixe um comentário!!!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: