Hidromel Medieval – Receita de 1669

Bem vindos ao Pompeia Hidromeis!

Pessoal, recebi recentemente um livro com uma coletânea de receitas antigas, iniciando em 1800 A.C. e com a maioria situando-se na final da idade média. Vou começar a colocar aqui algumas receitas que achei bem interessantes. As receitas estão traduzidas no melhor do meu inglês!

Vamos a primeira:

Hidromel de meu Lord Herbert (MY LORD HERBERT´S MEATH)

  • 45,46 litros de água
  • 11,37 litros de mel
  • 15 punhados de alecrim
  • 470 gramas de noz-moscada inteiras
  • 470 gramas de canela em pau
  • 160 gramas de cravo
  • 310 gramas de “mace blades” (é a membrana que cobre a noz-moscada)
  • clara e as cascas de 12 ovos
  • 1,1 quilos de gengibre

Tempo de preparação: 3 semanas

Preparação:

Recolhendo Mel

Recolhendo Mel

Pegue o alecrim, “mace”, as noz-moscadas, os cravos, a canela e o gengibre cortado em pedaços e coloque na água e deixe ferver* por meia hora, então tire do fogo e deixe descansar até que você possa ver sua sombra nele (??? – acredito que assim que a fervura baixe você possa ver seu reflexo no mosto) então coloque o mel e volte ao fogo. Então pegue as cascas e as claras e bata bem as duas juntas: quando o mosto estiver quase fervendo novamente coloque as claras com as cascas** e mexa.Tire do fogo e coloque em outro recipiente para esfriar deixe um  pouco da espuma que se forma, como você faz com a cerveja. Quando trocar de recipiente deixe os sedimentos no fundo: quando estiver todo branco, coloque em outro fermentador e quando a fermentação tiver terminado o trabalho pare o processo como faria com a cerveja. Com três semanas de idade estará pronto para beber ou engarrafar.

Original em inglês arcaico: The Closet of the Eminently Learned Sir Kenelme Digby Kt. Opened. Little Britain. London, 1669

O texto, apesar de um pouco confuso, é um belo exemplo de hidromel da época. Todos os textos do autor tendem a ser um tanto quanto confusos se pensados como uma receita.

* A fervura do mosto era e ainda é utilizada em alguns casos para a sanitização do mesmo. Porém os mais puristas (eu incluso) não gostam deste processo, por acreditar que o mosto perde algumas características importantes durante a fervura.

** A adição de claras e cascas de ovos era e ainda é usada em alguns casos para clarificar o mosto, neste caso específico como utilizam-se várias ervas e condimentos o mosto tende a turvar e a clara “puxa”  a “sujeira” para o fundo do fermentador

Luis Felipe de Moraes – Pompeia Hidromeis



Categorias:Receitas Antigas

Tags:, , , , , , , , ,

Deixe um comentário!!!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: